Notícias

Automação cresce aos poucos entre pequenas indústrias e varejistas

Estadão PME - 16/03/2015
16 Mar 2015

Mercado e poder público tem acelerado o processo de adoção de sistemas e equipamentos automatizados

Por Bruno de Oliveira, especial para O Estado

 

Automação é um conceito que envolve processos de produção mais rápidos e, por isso, proporciona redução de custos às empresas, que passam a produzir mais e melhor. Antes algo exclusivo às grandes empresas, hoje é possível, em menor escala, trazer este benefício para o cotidiano de pequenos e médios negócios, sobretudo aqueles que atuam na indústria e no varejo.

Por ser uma realidade nova para o segmento de PME, muitos empreendedores que planejam automatizar os processos da sua empresa devem ter em mente que para isso será necessária uma mudança estrutural básica dentro do negócio. E isso envolve tanto o investimento em equipamentos e softwares quanto a adoção de uma nova cultura organizacional.

"Quem está trazendo a automação para as pequenas e médias são os negócios do segmento de varejo. A indústria de softwares de gestão, por exemplo, observou oportunidades no segmento de PME por conta do volume de negócios que poderia se fazer. Para atingir este perfil de cliente, criaram sistemas em módulos baseados em cloud computing para baixar o custo do serviço", disse Cleber Morais, presidente da Bematech, que oferece automação para bares e restaurantes.

Para o executivo, as pequenas e médias empresas estão buscando melhorar seus processos por meio da tecnologia como forma de ganharem competitividade no mercado. O varejo, área que concentra a maior parte das PME do País, recorreu aos meios de pagamento eletrônicos e aos softwares fiscais.

As imposições por parte do mercado e do governo também aceleraram esse processo. Isso porque os pagamentos estão cada vez mais sendo efetuados por meio de cartões e as leis federais obrigaram estabelecimentos a ter um maior controle sobre impostos.

"O varejo entendeu que, além de usar a tecnologia para cumprir com obrigações fiscais, ele também pode adotar soluções de TI para se diferenciar no mercado. A partir do momento que isso ficou estabelecido, passaram a se interessar por mais ferramentas e isso tem movimentado o mercado", completa o executivo.

Para adotar algum tipo de tecnologia de automação, o negócio precisa ser preparado para recebê-la, uma vez que sistemas se integram com processos no mundo real. Morais diz que, no varejo, esses processos giram em torno da organização dos dados do negócio.

"A comanda de papel, o registro dos produtos em um caderno, entre outros elementos comuns nos pequenos negócios, devem dar lugar a outros processos para que os sistemas funcionem de maneira eficaz e acelere o negócio", explica o executivo.

Automação e indústria sempre estiveram ligadas. Muito do que é aplicado hoje no mercado como um todo teve sua evolução em projetos dentro das grandes fábricas, como nas linhas de montagem e nas máquinas que funcionam por meio de computadores, para citar alguns exemplos mais célebres. Diferentemente do que acontece nos pequenos negócios varejistas, a automação na pequena indústria é algo ainda incipiente. O principal motivo é a baixa escala que este tipo de empreendimento tem.

"O custo inicial de projeto de automação na indústria ainda está atrelado a sua capacidade de produção. Se o pequeno negócio produz pouco, é muito difícil que ele opte por modernizar sua planta. No entanto, há casos onde o empreendedor investe em novas tecnologias justamente para ter um poder de produção maior", conta Oswaldo Sato, gerente de produtos da Festo, fabricante alemã de equipamentos de automação industrial.

Essa necessidade de automatizar processos tem sido verificada por ele em fábricas de máquinas, oficinas mecânicas, empresas alimentícias, têxteis, calçadistas e algumas oficinas mecânicas.

Sato explica que por menor que seja o negócio, é possível começar com uma estrutura automática mínima, com um baixo custo, que pode auxiliar a empresa a aumentar os níveis de segurança dos funcionários ou proporcionar um ganho de tempo em alguns procedimentos.

"Um processo de montagem manual, por exemplo, onde existe uma grande intervenção do funcionário, eventualmente pode ser automatizada a um custo relativamente baixo, pois demanda poucas peças. O empreendedor pode começar por aí um projeto de automação dentro do seu negócio", finaliza.

Assuntos relacionados: