Notícias

O que as startups e os blockbusters têm em comum

Portal da PEGN - 20/03/2015
20 Mar 2015

O Vale do Silício e Hollywood usam mecanismos parecidos para gerar casos de sucesso e multiplicar investimentos

Por Francisco Jardim, com a colaboração de Raffael Piedade

No mês passado, a cerimônia do Oscar laureou pela 87ª vez o melhor do cinema. Ao longo do tempo, a indústria cinematográfica passou a ser vista mais como um tipo de investimento de altos riscos e retornos do que como uma modalidade artística, podendo ser comparado ao venture capital. Nessa perspectiva, podemos estabelecer diversos paralelos entre essas indústrias, como empreendedor e roteirista, startup e script, equipe e elenco, gestora de venture capital e estúdio de cinema.

O elevator pitch, por exemplo, é um recurso amplamente adotado por empreendedores e roteiristas para resumir um projeto em uma abordagem de venda objetiva e impactante. Essa técnica parte do objetivo de descrever uma startup, ou um script, de maneira a atrair o interesse de um investidor no tempo equivalente ao de uma viagem de elevador. Em geral, toma-se por base a duração próxima de um minuto. Uma ferramenta utilizada para causar ainda mais impacto é o high concept pitch. Originado na indústria cinematográfica, esse formato busca referências conhecidas para comunicar uma ideia da forma mais sucinta possível. Talvez um dos exemplos mais recorrentes seja o idealizado pelos roteiristas do filme Alien (1979), que abordavam os estúdios de Hollywood resumindo o script do longa em apenas três palavras, “Jaws [Tubarão] no espaço”. Aplicado a startups, pode-se definir o LinkedIn como “Facebook para negócios” e o Twitter como “Blogger para pessoas com DDA”.

Outra semelhança é a expectativa de que a minoria dos filmes, ou empresas, de um portfólio gerem um retorno que compense o investimento na carteira como um todo. Na indústria cinematográfica, estima-se que ao menos 60% dos filmes produzidos nos Estados Unidos fracassem. Na indústria de venture capital americana, essa estatística é ainda mais radical. Alguns fundos operam com taxas de mortalidade (startups que vão morrer) superior a 80%. A expectativa de que a conta dos fracassos seja paga pela alta performance de poucos blockbusters expõe o perfil de alto risco peculiar a esses mercados.

A reprodução das fórmulas de sucesso surge como uma maneira de mitigar esse risco. Orientados pelos investimentos que apresentam os maiores retornos, gestores de venture capital e estúdios de cinema se mostram interessados no potencial de replicabilidade de modelos de negócio até que uma tendência seja esgotada ou ultrapassada. Por isso é comum que filmes que alcancem resultados de bilheteria extraordinários tenham sequências ou obras similares – fenômeno observado com o gênero de super-heróis nos últimos anos. Da mesma forma, o sucesso alcançado pela Zynga, pioneira no setor de social games (jogos na plataforma Facebook), levou com que outras startups como a King (Candy Crush) e a Vostu (Mini Fazenda) atraíssem investidores de venture capital.

Em ambos os universos, o sucesso de um projeto é mensurado pelo retorno auferido sobre o capital investido. Atividade paranormal (2007) foi o filme que desempenhou essa métrica com o maior êxito na história do cinema. Com um orçamento de US$ 15 mil, o longa de terror da Paramount Pictures arrecadou mais de US$ 190 milhões em bilheterias – traduzindo-se em um lucro superior a US$ 1 milhão para cada dólar investido. Na indústria de venture capital, uma das operações que geraram o maior retorno sobre investimento foi a do ebay . Os US$ 6,7 milhões investidos (1997) no market place pela Benchmark Capital se tornaram US$ 5 bilhões em apenas dois anos, gerando um múltiplo de quase 750x.

O fato de as duas indústrias estarem sediadas na Califórnia não é mera coincidência. O estado americano é permeado por uma cultura empreendedora e tolerante ao fracasso. Nos dois casos, a Califórnia também reúne um ecossistema completo, composto por capital humano e financeiro altamente especializado. Outra realidade inquestionável é que nenhuma outra região do planeta conseguiu impactar tanto a sociedade moderna de forma sistemática e recorrente como o eixo Hollywood-Vale do Silício. Coisas incríveis acontecem quando empreendedores de alto impacto encontram financiadores dispostos a acreditar em sonhos. Assim nascem os blockbusters.

As informações do artigo refletem as opiniões do autor, e não necessariamente as de Pequenas Empresas & Grandes Negócios.

Leia mais em: http://revistapegn.globo.com/Colunistas/Francisco-Jardim/noticia/2015/03/o-que-startups-e-os-blockbusters-tem-em-comum.html

 

Assuntos relacionados: